Ratos modificados, podem ser a chave para rejuvenescer

Os ratos modificados, podem ser a chave para realizar tratamentos para rejuvenescer. Essa é a principal conclusão que se pode extrair de um estudo realizado pelo Instituto McGowan de Medicina Regenerativa de Pittsburgh. Um objetivo ainda distante e que soa quase de ficção científica, mas que pode se tornar realidade em um futuro não muito distante. A equipe de pesquisadores modificaram ratos geneticamente para que tivessem uma doença parecida com a progeria, que faz com que as crianças envejezcan de uma forma muito rápida e morram em uma idade muito precoce. Ao observar as células-tronco de ratos que tinham sido envelhecidos descobriram que estas células não se verificava com a mesma rapidez. Estas mesmas células mãe "cansadas" foram observados em ratos que haviam envelhecido de forma natural. Esta descoberta levou os pesquisadores a injetar células-tronco de ratos jovens e saudáveis em ratos envelhecidos prematuramente, apenas quatro dias antes que morressem. O achado surpreendente foi verificar que os ratos viviam 50 dias, 338% a mais. Do mesmo modo, verificou-se que também viveram muito mais saudáveis nesses dias que se haviam aumentado. Os próprios cientistas, céticos diante do achado, continuaram realizando experimentos para verificar os resultados. Para isso, marcaram as células injetadas em ratos envelhecidos com um marcador genético para verificar onde se situavam-se estas células. Isto lhes permitiu verificar que apenas umas poucas situavam-se em órgãos de ratos, ao contrário do que se pensava que as células regeneram os tecidos. Isso fez suspeitar os cientistas que as células estaminais secretam uma substância anti-envelhecimento. Para confirmar situaram células-tronco de ratos com envelhecimento prematuro em um lado do frasco de células-tronco de ratos normais no outro, separadas, ambas por uma membrana que impede o contato entre ambos os tipos de células. Em poucos dias, as células envelhecidas começaram a dividir-se mais depressa, isto é, a rejuvenescer. Isso significaria que as células-tronco secretam uma substância desconhecida até agora e que melhoraria as células mãe envelhecidas, afirmou Joynny Huard, um dos responsáveis do estudo. Ainda é demasiado cedo para saber, mas esta proteína anti-envelhecimento pode mudar as pessoas para atrasar também o envelhecimento e prevenir as doenças relacionadas. No entanto, há que ser cautelosos, pois não se sabe com exatidão qual é a função das células-tronco no corpo nem qual é essa substância que segrega. Cientistas de todo o mundo têm qualificado o estudo como fascinante por suas possíveis aplicações que poderia ter em um futuro, mas do mesmo dizem que é um estudo preliminar e que ainda resta muito caminho por andar. Os responsáveis do estudo agora começar a fazer testes com ratos normais, para ver se também lhes fazem viver mais. Se se obtêm resultados igualmente positivos, abriria as portas a experimentar com as pessoas. De modo que se possam tomar as células de uma pessoa jovem e saudável em inyectárselas a mesma pessoa quanto fosse um adulto de cerca de 50 anos. Com esse tratamento não se busca rejuvenescer externamente, mas, sim, retardar o envelhecimento e as doenças próprias da idade, como Alzheimer ou problemas cardiovasculares, ou seja, a envelhecer de uma forma mais saudável.