O que é a trocanterite?

A trocanterite ou bursite trocantérea, é a causa mais frequente de dor proveniente das estruturas periarticulares do quadril. Muitas vezes passa despercebido e é diagnosticado como coxalgia sem especificar, principalmente em pacientes de idade, que sofra de coxartrosis, ou como irradiação radicular. Com a trocanterite se inflamam as bolsas aquosas, que se situam na extremidade próxima do fêmur. Uma vez que essas bolsas são cheias de líquido sinovial, ficam expostas a todos os processos inflamatórios, que afetam o quadril, como, por exemplo, a artrite reumatóide, embora a maioria das trocanterite são causadas por microtraumatismos de repetição. As dores da trocanterite caracterizam-se por não permitir que o paciente dormir de lado, apoiado sobre essa anca, o que obriga a buscar uma postura antidolorosa, dando como resultado um sono inquieto. Também costumam se apresentar desconforto ao subir escadas, começar a andar depois de estar sentado muito tempo ou depois de uma actividade desportiva, onde se forçar a lhes fortalecer os membros inferiores. A bolsa serosa que se inflama, é a que lubrifica e permite o bom funcionamento de certos tendões e outros elementos moles que se encontram na área. Se não ocorrer esta lubrificação, irritam os nervos, causando dor na região glútea, o lado da coxa e da panturrilha. Para curar uma trocanterite há que desinflamar o ponto onde se origina. Para isso, deve-se fazer chegar a esse trocânter inflamado uma medicação adequada, e a única forma de colocá-la localmente é através de cremes ou infiltrações ou através de aparelhos de kinesiology -onda curta, aparelhos de infravermelho ou magnetoterapia, que conseguem atravessar a pele, o tecido celular subcutâneo e a adiposidade típica da região. Também pode ocorrer dor com a pressão digital direta sobre o trocânter maior do fêmur. Para um correcto tratamento, haverá que reduzir a inflamação, ajudando-de gelo ou, como já foi comentado, de cremes anestésicos locais ou infiltrações. No âmbito osteopático, é importante realizar testes da bateria muscular pélvica e da perna, assim como outra série de provas a nível de quadril, joelho e pé, que indicarão onde está o problema e assim poder aplicar as técnicas para resolvê-lo. Fonte Imagem: