Alimentos para a Artrose

As pessoas que sofrem de artrose e artrite podem sofrer fortes dores nos ossos ao realizar as tarefas mais simples, mesmo aquelas que se relacionam com a preparação e ingestão das refeições, assim você terá que preparar dietas com menus simples e fáceis de elaborar. Além disso, há que ter em conta que, quando se reduz a mobilidade, também se reduz a atividade e, portanto, as necessidades calóricas. Por tudo isso, será imprescindível que estas pessoas não ganharem peso, para reduzir os problemas de mobilidade. Devem incluir, pelo menos, duas peças de fruta ao natural, em que uma deve ser fonte de vitamina C e outra fonte de flavonóides. Consumir abacaxi fresco habitualmente. Evitar os sucos de frutas, frutas em conservas e frutas mais calóricas, se se quer reduzir o peso. Consumir também frutos secos, por sua importante contribuição de Omega-3, mas moderadamente, a meio da manhã ou durante a tarde, figos secos, nozes, avelãs ou amêndoas e tomar todos os dias 1 colher de chá de sementes de sésamo. No que diz respeito ao consumo de verduras e hortaliças, é importante reduzir o consumo de solanáceas, preferindo o pimentão vermelho e o tomate, a berinjela, por ser mais ricos em flavonóides anti-inflamatórios. Também é conveniente incluir um mínimo de 2 pratos diários, 1 na forma de salada e cru, outro em forma de cozido. Incluir-se 2 vezes por semana brassicaceae e legumes de folha verde, e, diariamente, germinados e outras hortaliças. Não se deve ultrapassar o consumo de legumes, já que o excesso pode contribuir para a acidificação do organismo. Incluí-las 3 vezes por semana, sempre combinadas com cereais integrais. É conveniente introduzir a soja e seus derivados nas mulheres após a menopausa. As algas devem tomar três vezes por semana e os cereais integrais são incluídos em um diário, especialmente no café da manhã ou acompanhando os legumes e as carnes, evitando-se dar junto aos lácteos. Serão incluídos os óleos de oliva, de gérmen de trigo e de linho para tempero (ricos em Ómega 3, ou GLA), evitando os óleos de girassol e de milho (ricos enOmega-6y mais prejudiciais). Por permite a visu lado, é conveniente evitar qualquer tipo de frito, manteigas e margarinas. Os lácteos indicados serão iogurte ou kefir, assim como os queijos frescos ou amarelos, será o suficiente com duas porções diárias de 40-50 g., lembrando que, além de cálcio e fósforo, são uma fonte de proteína que se devem somar ao total das mesmas. As carnes e aves são reduzidas a 2 vezes por semana, sendo preferenciais as aves de qualidade para as carnes vermelhas, evitando completamente os enchidos e vísceras e cozinha para o ferro, vapor ou no forno. Os peixes e frutos do mar podem consumir até 3 vezes por semana, incluindo sempre algum peixe azul semanal, de preferência que apresentem Omega-3. Recomenda-Se consumir um máximo de 2 ovos por semana, distância, no omelete ou cozidos, mas nunca fritos. Deve-Se limitar o consumo de açúcares, preferindo as melaços como adoçantes por sua contribuição em cálcio e evitar completamente o açúcar refinado, tanto o branco como o de cana-cristalizado. O consumo de sobremesas e bolos ficará relegado à excepcionalidade. Não tomam bebidas alcoólicas e vinho durante as fases de crises agudas inflamatórias e aconselhar sobre o uso de ervas alimentares, como o manjericão, o orégano, o alho, o gengibre e alecrim, para temperar os pratos, já que adicionam pequenas quantidades de flavonóides anti-inflamatórios. O gengibre e cúrcuma têm uma acção anti-inflamatória e analgésica. Em relação ao gengibre, além disso tem muitas outras propriedades olha este outro post: Benefícios do gengibre para a saúde